Recuperação de nascentes e APP

Realizamos manejo integrado para recuperação de nascentes d’água. Consiste, basicamente, na conservação ou restauração da vegetação com espécies adequadas, de preferência nativas locais. As raízes melhoram a infiltração da água no subsolo abastecendo o lençol freático, além de melhorar as características químicas, físicas e biológicas do solo.

A composição de solo e as raízes da vegetação funcionam com esponjas naturais que retem grandes quantidades de água e mantem a nascente viva por muito mais tempo mesmo em períodos de estiagem. A vegetação evita ou diminui o assoreamento provocado pelo escoamento superficial das águas de chuvas, o que compromete a funcionalidade de uma nascente.

O reflorestamento das Áreas de Preservação Permanente (APP) é feito a partir da combinação de espécies a serem cultivadas em estágios sucessivos. Observando a proporção de espécies nestes estágios, são considerados no trabalho o espaçamento e a densidade dos indivíduos no plantio, onde a estratégia usada para a implantação observa as leis ambientais vigentes.

Outro critério é a dos grupos ecológicos, considerando como as plantas reagem no ambiente. As APPs se destinam a proteger os solos e, principalmente, as matas ciliares. Este tipo de vegetação cumpre a função de proteger os rios e reservatórios de assoreamentos e transformações negativas nos leitos, garantindo o abastecimento dos lençóis freáticos e a preservação da vida aquática.

O Código Florestal Brasileiro, Lei nº12.651/12, no seu art. 4º, estabelece como Áreas de Preservação Permanente (APP):

I – as faixas marginais de qualquer curso d’água natural perene e intermitente, excluídos os efêmeros, desde a borda da calha do leito regular, em largura mínima de:

  1. a) 30 (trinta) metros, para os cursos d’água de menos de 10 (dez) metros de largura;
  2. b) 50 (cinquenta) metros, para os cursos d’água que tenham de 10 (dez) a 50 (cinquenta) metros de largura;
  3. c) 100 (cem) metros, para os cursos d’água que tenham de 50 (cinquenta) a 200 (duzentos) metros de largura;
  4. d) 200 (duzentos) metros, para os cursos d’água que tenham de 200 (duzentos) a 600 (seiscentos) metros de largura;

e) 500 (quinhentos) metros, para os cursos d’água que tenham largura superior a 600 (seiscentos) metros;